Como diagnosticar causas e reduzir o turnover na empresa?

Sem Parar Empresas: sete blocos com bonecos desenhados, sendo que um está sendo retirado por uma mão, que representa o turnover de uma empresa

Atrair talentos é apenas metade do desafio; manter esses profissionais em sua equipe é uma tarefa ainda mais complexa. O turnover - a rotatividade de colaboradores - pode impactar significativamente a estabilidade e o crescimento de uma empresa. Diante desse cenário, é indispensável adotar estratégias eficazes para reduzi-lo.

 

Entendendo o turnover

O turnover, no contexto organizacional, diz respeito à rotatividade de colaboradores em uma empresa. É importante frisar que há diferentes tipos, sendo os principais deles:

  • Involuntário: quando a saída do colaborador é iniciada pela empresa, por motivos como desempenho insatisfatório ou reestruturação.

  • Voluntário: ocorre quando o colaborador decide deixar a empresa, seja por oportunidades melhores, insatisfação ou outros motivos pessoais.

  • Voluntário funcional: representa a saída de colaboradores cujo desligamento é benéfico para ambas as partes, como aposentadoria ou mudança de carreira.

  • Voluntário disfuncional: refere-se a saídas que impactam negativamente a empresa, como perda de talentos-chave.

Calcular a taxa de turnover é fundamental para acompanhar a vitalidade da equipe. Basta dividir o número de saídas em um período pelo total de colaboradores e multiplicar o resultado por 100. Uma taxa inferior a 10% é considerada normal, entre 10% e 15% é moderada, enquanto acima de 15% indica uma situação de turnover que merece atenção.

 

Motivos comuns para turnover

Uma das principais razões para a rotatividade elevada nas empresas está na desmotivação dos colaboradores. Mas como isso ocorre? Confira a seguir alguns dos principais motivos que levam a uma alta taxa de turnover: 

  • Insatisfação no ambiente de trabalho: ambientes tóxicos, falta de iniciativas de bem-estar, carência na gestão de facilities e ausência de oportunidades de crescimento podem levar à insatisfação e, consequentemente, à saída.

  • Falta de desenvolvimento profissional: colaboradores buscam constante aprendizado e crescimento. Quando percebem a ausência de oportunidades de desenvolvimento, tendem a procurar novos desafios em outras empresas.

  • Conflitos no local de trabalho: relações interpessoais problemáticas e falta de gestão de conflitos podem criar um ambiente desagradável, levando à decisão de sair.

  • Remuneração inadequada: a discrepância entre a remuneração oferecida e as expectativas do colaborador é um fator relevante. Salários abaixo da média do mercado podem motivar a busca por oportunidades melhores.

  • Falta de reconhecimento: a ausência de reconhecimento pelo trabalho realizado é um dos principais motivos para a saída de colaboradores.

Ter uma taxa alta de turnover pode trazer diversos problemas. Entre eles, um custo elevado, já que treinar novos colaboradores e o período de adaptação geram investimentos significativos. Também existe um grande impacto na produtividade, pois uma constante rotatividade pode prejudicar a eficiência operacional e impactar negativamente a qualidade do trabalho.

Outros pontos são a desmotivação da equipe nos colaboradores remanescentes, gerando um ciclo de saídas. O resultado final é uma reputação afetada, já que um alto nível de turnover pode prejudicar a imagem da empresa no mercado, dificultando a atração de novos talentos.

 

6 dicas para reduzir a taxa de turnover

Identificar as causas do turnover é o ponto de partida para implementar mudanças efetivas. Confira algumas boas práticas para reduzir esse problema:

  1. Pesquisa de clima organizacional: realize pesquisas periódicas para entender as percepções e necessidades dos colaboradores em relação ao ambiente de trabalho. Com os feedbacks, invista em melhorias e mantenha aquilo que está agradável. 

  2. Desenvolvimento profissional: ofereça oportunidades contínuas de aprendizado e crescimento, como palestras, workshops e programas de treinamento corporativo. Isso demonstra um compromisso com o desenvolvimento profissional de sua equipe.

  3. Comunicação transparente: mantenha uma comunicação aberta e transparente. Informe sobre mudanças, ouça feedbacks e demonstre o valor de cada membro da equipe.

  4. Programas de reconhecimento: implemente programas de reconhecimento que valorizem as contribuições individuais, promovendo um ambiente positivo.

  5. Oferta de benefícios atrativos: surpreenda seus colaboradores com benefícios que vão além do convencional, como horários flexíveis, vale-presentes, programas de bem-estar e planos de carreira personalizados.

  6. Promoção do equilíbrio entre trabalho e vida pessoal: incentive práticas que favoreçam o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, contribuindo para o bem-estar geral.

Ao adotar essas estratégias, sua empresa estará não apenas investindo em retenção e atração de talentos, mas também construindo um ambiente propício ao crescimento e à satisfação profissional.

💡 Confira nosso guia para aprimorar sua Gestão de Recursos Humanos

 

Foque no bem-estar da equipe!

Sem dúvidas, o turnover pode causar impactos significativos nas operações, na produtividade e na reputação da empresa. Reduzir esse fenômeno é fundamental para a estabilidade e o crescimento sustentável. O segredo está em investir na satisfação da equipe. Ambientes de trabalho saudáveis, programas de desenvolvimento e benefícios atrativos são a chave para a retenção de talentos. 

Quem procura soluções para fortalecer sua equipe e reduzir a rotatividade, não pode deixar de explorar alternativas que priorizem o bem-estar. Descubra como investir em tendências para Recursos Humanos pode transformar positivamente o cenário da sua empresa.  

 

New call-to-action

Destaques

Síndrome de burnout: tudo o que você precisa saber sobre o tema
Sem Parar Empresas: Síndrome de burnout: tudo o que você precisa saber sobre o tema
8 - Junho - 2020

Síndrome de burnout: tudo o que você precisa saber sobre o tema

Trabalhar bastante, se preocupar com entregas e prazos, respeitar seus próprios limites e ainda lidar com o estresse do dia a dia — o que tu…

Receba nossa newsletter

Gestão de veículos